COVID-19 e sua propagação: Como os países estão lidando?

Atualizado: 9 de Abr de 2020

Ana Carolina Prates, Ragnar Chaves & Tamires Buchbinder | 03/04/2020


O novo Coronavírus, conhecido por (COVID-19), é apontado como uma variação da família Coronavírus (Cov) que carrega dois vírus conhecidos da OMS (Organização Mundial da Saúde), o MERS e o SARS. Ainda não se sabe qual foi o hospedeiro do COVID-19, mas alguns cientistas acreditam que este teve origem em um animal que, em seguida, transmitiu para os seres humanos.


No dia 11 de março de 2020, a OMS declarou o novo Coronavírus (COVID-19) como pandemia mundial, uma vez que o vírus já se encontrava espalhado em vários continentes com transmissão comunitária entre as pessoas, ou seja, um paciente foi infectado com a doença dentro do seu próprio país sem ter tido contato com pessoas que estiveram em países onde o vírus já havia sido identificado.


A transmissão do novo Coronavírus ocorre pelo contato com secreções de pessoas contaminadas, por superfícies contaminadas e pelo ar, uma vez que o vírus permanece no ambiente por até três horas. Portanto, não é aconselhável ficar próximo a pessoas que estão espirrando, tossindo e resfriadas.


Os sintomas apresentados são: febre, tosse, coriza, cansaço e falta de ar. O vírus pode desencadear uma doença respiratória leve ou grave, como pneumonia e bronquite, sendo estes últimos os responsáveis pelas mortes causadas pelo Coronavírus.


A taxa de mortalidade do COVID-19 é diferente para diversos grupos de pessoas, tendo a maior taxa observada em idosos com idades entre (60-79) e superior a 80 anos. Em crianças e adolescentes, a taxa de mortalidade é de 0,2%; em jovens e adultos é de 0,4 – 1,3%; em idosos com até 79 anos a taxa varia de 3,6% - 8% e em idosos acima de 80 anos a taxa é 14,8%.


Além disso, a taxa de mortalidade global do COVID- 19 varia de país para país devido a fatores como envelhecimento da população e das medidas de prevenção adotadas no início do surto da doença. Abaixo, segue um gráfico com a taxa global de mortalidade.



Propagação do Coronavírus


Cientistas chineses acreditam que o primeiro caso de Coronavírus tenha ocorrido em 17 de novembro de 2019, em um homem de 55 anos, na província de Hubei. No dia 31 de dezembro de 2019, a Organização Mundial da Saúde foi informada de pacientes com pneumonia de causa desconhecida, com 44 casos registrados entre o dia da notificação e 3 de janeiro.


No dia 20 de janeiro, já havia 278 casos confirmados na China e 4 fora dela, na Tailândia, Japão e Coréia do Sul. A primeira morte por Coronavírus ocorreu no dia 11 de janeiro e a primeira fora da China no dia 02 de fevereiro deste ano.


Fonte:worldometers.info


O que deve acontecer?


Um estudo do Imperial College, de Londres, que tem sido referência nos estudos sobre Covid-19, estima o impacto do vírus em termos de números de mortes no mundo em diferentes cenários: ignorar, mitigar e suprimir. No primeiro, haveria 7 bilhões de infectados (cerca de 90% da população) e 40,6 milhões de mortos, num cenário onde não se toma nenhuma atitude. No segundo caso, onde há uma tentativa de mitigação, as interações entre as pessoas reduzem a 42% do normal - isolando idosos ou igualmente toda a população -, haveria 20 milhões de óbitos, afetando, principalmente, os países mais pobres. Já no terceiro cenário, onde ocorre a supressão do vírus, com isolamento total da população e redução das interações interpessoais em 75%, teríamos 470 milhões de pessoas infectadas e 1,9 milhões de mortes. Nesse caso, quanto mais cedo as medidas são tomadas, maior a efetividade.


Medidas adotadas pela China e Itália


A China adotou a medida de supressão do vírus. Como resultado, após 2 meses o país viu o número de novos casos reduzir, registrando 45 casos no dia 28 de fevereiro, ante 54 no anterior. Desde o dia 23 de janeiro, a China mantém mais de 26 milhões de pessoas em quarentena e, no último sábado (28), algumas medidas foram tomadas para afrouxar a quarentena, como a abertura de parte das estradas para a entrada de pessoas na cidade. A saída só poderá acontecer a partir do dia 5 de abril.


Já a Itália, inicialmente, tentou implementar a estratégia de mitigação, buscando neutralizar os efeitos econômicos. O primeiro-ministro, Giuseppe Conte, se opôs, inclusive, a medidas como fechamentos de escolas e proibições de aglomerações em regiões que ainda não tinham sido afetadas. Naquele momento, a Itália registrava 650 contágios e 17 mortes. Atualmente (03/04), a Itália é o país com o maior número de mortes por Coronavírus, com 14.681 óbitos.


Medidas adotadas pelo Brasil


No Brasil, o primeiro caso do novo vírus foi confirmado no dia 26 de fevereiro de 2020, em São Paulo. Atualmente, já são mais de 4000 casos confirmados. De modo a evitar a propagação do vírus, no dia 13 de março, Witzel, governador do Rio de Janeiro, suspendeu as aulas em escolas públicas e privadas e, no dia 16 do mesmo mês, fechou os principais pontos turísticos da cidade. Os outros governadores tomaram medidas parecidas e quase o país inteiro está em isolamento social.


Entretanto, o Presidente da República, Jair Bolsonaro, afirma que esse isolamento não é benéfico para a economia e que o vírus não é tão letal a ponto de deixar toda a população em casa. Ele acredita que deve ser feito um lockdown vertical, no qual apenas os grupos de risco deveriam se manter em isolamento, em prol da economia. Bolsonaro lançou a campanha “O Brasil Não Pode Parar” em suas redes sociais, alegando que trabalhadores autônomos já sentem as consequências de uma economia mais desacelerada.


Sua equipe não parece o seguir nessa ideia. O Ministro da Saúde, Luiz Mandetta, é a favor de um lockdown horizontal, no qual todos devem se manter em casa, se possível, a fim de evitar que o sistema de saúde seja sobrecarregado com a explosão do número de casos.


De acordo com as projeções para o Brasil do Imperial College, entre o pior e melhor caso, a diferença de número de mortes é de 1,05 milhões de pessoas. No melhor cenário, com medidas adotadas de forma precoce, em um isolamento social intensivo (75% de isolamento de toda a população) o número de mortes seria de 44 mil. No gráfico a seguir, podemos ver a situação do número de mortes em cada caso.


Um isolamento parcial seria evitando apenas aglomerações e eventos


Os dados sobre o sistema de saúde do Brasil preocupam: dos 16 mil leitos existentes nas UTIs do SUS (Sistema Único de Saúde), 15.200 estão ocupados, ou seja, 95% dos leitos. No SUS, a média de leitos de UTI para 100 mil habitantes é de 10 leitos e, no sistema privado, a média é de 40 leitos. Para os casos em que o COVID-19 se agrava, ocasionando problemas respiratórios graves, necessita-se de um ventilador mecânico: 50% dos ventiladores do SUS estão ocupados e, da rede privada, 20%, o que aparenta ser um dado positivo. No gráfico a seguir, vemos como seria a demanda pelo sistema de saúde no Brasil, de acordo com o Imperial College, dependendo da política de mitigação.




O Ministro da Economia, Paulo Guedes, também é a favor do distanciamento social como forma de combater o avanço da pandemia. Porém, Guedes também está atento à crise econômica que pode vir seguida do vírus. Por isso, ele lançará um pacote de aproximadamente R$700 bilhões, aliado ao Banco Central e aos bancos públicos, para garantir que a economia gire. O foco desta injeção de dinheiro na economia seria para garantir proteção aos idosos, trabalhadores informais e autônomos e beneficiários do Bolsa Família, população que está na faixa pobre do país.


No próximo artigo da Liga de Mercado Financeiro da PUC-Rio será abordado detalhadamente as medidas oficiais tomadas pelo Ministério da Economia, os impactos econômicos do COVID-19 no Brasil e as ações tomadas para suavizar esses efeitos.



Bibliografia:

[1] The global coronavirus fatality rate has doubled in just 2 months, according to WHO data, Business Insider, 2020. Disponível em:

< https://www.businessinsider.com/coronavirus-covid-19-chart-graph-global-fatality-rate-change-time-2020-3#however-the-fatality-rate-does-not-show-that-20-44-year-olds-represent-one-of-the-largest-age-groups-affected-by-covid-19-about-20-of-all-hospitalizations-at-least-in-the-us-4 >

[2] Coronavirus disease 2019 (COVID-19) Situation Report – 69, WHO, 2020. Disponível em:

< https://www.who.int/docs/default-source/coronaviruse/situation-reports/20200329-sitrep-69-covid-19.pdf?sfvrsn=8d6620fa_8 >

[3] A Timeline of the Coronavirus Pandemic, New York Times, 2020. Disponível em:

< https://www.nytimes.com/article/coronavirus-timeline.html >

[4] Timeline: How the new coronavirus spread, Al Jazeera, 2020. Disponível em:

< https://www.aljazeera.com/news/2020/01/timeline-china-coronavirus-spread-200126061554884.html >

[5] Itália muda estratégia contra o coronavírus para combater o alarmismo e proteger a economia, El País, 2020. Disponível em:

< https://brasil.elpais.com/internacional/2020-02-28/italia-muda-estrategia-contra-o-coronavirus-para-combater-o-alarmismo-e-proteger-a-economia.html >

[6] Imperial College: COVID19 Global Impact, Imperial College, 2020. Disponível em:

< https://www.imperial.ac.uk/search/?q=Imperial-College-COVID19-Global-Impact- >

[7] Berço da Covid-19, Wuhan começa a sair da quarentena e reabre ferrovias, O Globo, 2020. Disponível em:

< https://oglobo.globo.com/mundo/berco-da-covid-19-wuhan-comeca-sair-da-quarentena-reabre-ferrovias-24335432 >


Posts recentes

Ver tudo

Reforma Tributária

Ana Carolina S. Longo | 17/06/2020 Uma reforma tributária é, por definição: “uma reforma político-econômica que visa à mudança da estrutura legislativa de cobrança de impostos, taxas e outras contribu