O caso GameStop: A internet e a manipulação de mercado

Atualizado: Abr 16

Por Gabriel Cunha



The Internet is the first thing that humanity has built that humanity doesn't understand, the largest experiment in anarchy that we have ever had."

  • Eric Schmidt


Criada nos Estados Unidos em 1969, a partir de pesquisas militares no auge da Guerra Fria, a internet foi uma invenção capaz de revolucionar os mais diversos campos do conhecimento e a forma como vivemos. Dentro do mercado financeiro, as mudanças proporcionadas por essa nova tecnologia foram inúmeras. Os “pregões viva voz”, realizados presencialmente em ambientes barulhentos e lotados, deram vez aos pregões digitais como conhecemos hoje. A quantidade de informações disponíveis aos investidores, a facilidade e a rapidez com que é possível ter acesso às mesmas nunca foram tão grandes. Além disso, a internet permitiu que nos comunicássemos com um número gigantesco de pessoas em poucos cliques, fazendo com que cidadãos “comuns” passassem a ter um poder de influência antes inimaginável. É neste contexto de disrupção em que as portas são abertas para a ocorrência de eventos inéditos em todas as áreas, incluindo, claro, o mercado financeiro.


No dia 27 de julho de 2020, o analista financeiro Keith Gill, também conhecido por seu pseudônimo “Roaring Kitty”, publicou em seu canal no youtube um vídeo no qual o mesmo analisava os papéis da empresa varejista de videogames, GameStop (GME), que na época estavam sendo negociadas a US$ 4.03. Em sua análise, Keith Gill acreditava que o preço das ações da companhia não refletiam seu real valor e que havia um pessimismo excessivo do mercado com o futuro dela. A GameStop, fundada em 1984, é uma das mais famosas e icônicas lojas de videogames do mundo, possuindo 6700 estabelecimentos espalhados pelos continentes americano e europeu. Apesar de sua trajetória de sucesso desde a criação, a companhia vem encontrando dificuldades para se adaptar às novas mudanças do setor. Os jogos, que antes só podiam ser adquiridos em mídia física, agora podem, em sua grande maioria, ser baixados diretamente da internet, sem a necessidade de uma loja para fazer a ligação do fabricante com os usuários. Por esta razão, os lucros da famosa varejista de videogames vem reduzindo ano após ano, fato que levou diversos fundos de Wall Street a operarem “short” na ação. A operação de short (venda a descoberto) consiste no ato de buscar alugar uma determinada ação (pagando uma taxa por isso), vendê-la imediatamente e depois recomprá-la por um preço mais baixo para que possa ser devolvida, obtendo lucro na operação. Basicamente, a venda a descoberto é uma forma de apostar na queda de um determinado ativo.


Foi neste contexto que “Roaring Kitty” viu nos papéis GME uma grande oportunidade de lucro. Em seu vídeo publicado no youtube com o título de “100%+ short interest in GameStop stock (GME) – fundamental & technical deep value analysis”, com mais de uma hora de duração, Keith Gill demonstrou por meio de análises com as mais diversas ferramentas o porquê ele acreditava que as ações da GameStop deveriam sofrer uma forte valorização. Em primeiro lugar, Keith acreditava que com a nova geração de consoles e o aumento da complexidade dos jogos, a mídia física ainda possuirá um espaço importante na indústria de games, uma vez que os downloads podem ficar cada vez mais demorados como decorrência do tamanho dos arquivos. O analista também disse acreditar na governança da empresa e em sua capacidade de fazer um “turnaround”. Porém, dentre todos os fatores, havia uma tese principal na qual Keith Gill baseava sua crença na valorização dos papéis GME: o volume excessivo de operações short sendo realizadas com eles. “Roaring Kitty” cita em seu vídeo o fato de que cerca de 140% do free float das ações GameStop estava sendo vendido a descoberto, um fato incomum no mercado. O “free float” é uma terminologia utilizada para se referir às ações que uma empresa destina à livre negociação no mercado, designando, portanto, as ações que se encontram em circulação, excluindo-se aquelas pertencentes aos controladores e aquelas mantidas na tesouraria da companhia. 140% do free float vendido a descoberto significava que algumas ações estavam participando de mais de uma operação short ao mesmo tempo, ou seja, uma mesma ação estava sendo vendida mais de uma vez. Um indivíduo realizava o aluguel de uma ação, com o intuito de operar short, e a vendia no mercado, essa mesma ação era comprada e alugada novamente para outro investidor com a mesma intenção. Dessa forma, era possível perceber que o preço das ações GME estava em um patamar baixíssimo artificialmente, uma vez que a pressão vendedora era irreal, havendo mais vendas de papéis da companhia do que eles realmente existiam. Assim sendo, Keith Gill concluiu que as ações, inevitavelmente, teriam que subir em algum momento, quando fossem recompradas por quem as alugou para serem devolvidas a seus donos originais.


O vídeo de Gill foi também postado pelo mesmo na plataforma “Reddit”, em um fórum de investidores denominado “Wall Street Bets”, iniciando um movimento nunca antes visto na história do mercado. Após o vídeo de “Roaring Kitty” lançado no Reddit em Julho de 2020, a tese de investimento começou a ganhar cada vez mais força entre os membros do fórum. Por um lado, a análise de Keith Gill possuía um embasamento sólido e representava uma boa oportunidade de lucro. Por outro, muitos dos membros do fórum possuíam um carinho especial pela varejista de videogames e estavam descontentes com o short contra os papéis da empresa que estavam sendo realizados pelos “tubarões” de Wall Street. Essa combinação de fatores foi se fortalecendo nos meses subsequentes até que o famoso “short-squeeze” das ações GameStop eclodisse.


Em janeiro de 2021, as ações GameStop sofreram uma valorização de 1800% apenas no mês. Mais de 2 milhões de pessoas físicas, muitas usuárias do Wall Street Bets, passaram dias comprando o ativo e se utilizando de diversas estratégias para que o mesmo se valorizasse. Dentre as estratégias de trade com o papel GME utilizadas pelos membros do fórum, a compra de calls foi das mais populares, uma vez que se apresenta como uma forma barata de apostar na valorização de um ativo. A compra de uma call nada mais é do que a compra do direito de adquirir uma ação a um determinado preço previamente definido. Entre os dias 13 e 25 de janeiro, houve uma média de 0,5 milhões de calls de GameStop sendo negociadas diariamente. A grande questão é que para cada call comprada é necessário que haja um vendedor, via de regra os chamados “Market Makers”. Estas entidades, quando fazem a venda de calls, costumam fazer hedge comprando papéis da companhia à qual a opção se refere, estratégia conhecida como delta hedging. Dessa forma, devido à enorme quantidade de calls do papel GME sendo negociadas, os Market Makers tiveram que comprar uma grande quantidade de ações da empresa para reduzirem seu risco, fazendo com que o preço das ações disparasse. A enorme valorização dos papéis em um curto espaço de tempo fez com que grandes e tradicionais fundos de Wall Street amargassem enormes prejuízos, como foi o caso da Melvin Capital, que obteve perdas de mais de US $3,75 bilhões e retirou sua posição vendida.


O “caso GameStop”, como ficou conhecido na mídia, surpreendeu participantes do mercado financeiro em todas as partes do globo. A reunião coordenada de milhões de pessoas físicas para a compra de um ativo foi um evento inédito e suscitou debate acerca da manipulação de mercado, o que levou o caso até o congresso americano. No dia 18 de fevereiro de 2021, após semanas de extrema volatilidade das ações GameStop, Keith Gill e outros envolvidos no evento, como o diretor da Melvin Capital, da corretora Robinhood e da plataforma Reddit, participaram de audiência frente ao Comitê de Serviços Financeiros da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos. Na audiência, “Roaring Kitty” afirmou não haver qualquer dolo ou intenção de prejudicar os fundos que estavam vendidos em GameStop. Segundo ele, sua intenção com o vídeo e os posts no Wall Street Bets tinham o mesmo propósito de todos os outros que ele havia feito em sua vida: compartilhar com as pessoas o que ele acreditava ser uma boa tese de investimento. Após seus esclarecimentos frente aos legisladores americanos, Keith Gill chegou a ser processado por alguns investidores pessoa física, que perderam muito dinheiro tentando surfar na onda de volatilidade da ação e se sentiram lesados pela influência de Gill. Entretanto, até o presente momento, o protagonista do maior short-squeeze da história não recebeu nenhuma sanção da Securities and Exchanges Commission (Comissão de Valores Mobiliários americana) ou qualquer processo vindo do ministério público. No dia seguinte à audiência de Gill, o advogado Walter Joseph Clayton III, ex-presidente da S.E.C, afirmou em entrevista à CNBC que o órgão regulador irá analisar quaisquer possibilidades de manipulação de mercado, porém a resposta rápida é de que não houve qualquer tipo de esquema de “inflar e largar" - “the quick answer is: no pump-and-dump scheme was present”. Jay Clayton também elogiou a transparência e honestidade de “Roaring Kitty” - “The overall participation in this, it was fairly transparent what was going on here… I must admit to being entertained by Mr. Kitty. You saw that people were very transparent about what they were doing and why they were doing it, which was fairly interesting.


À luz do direito brasileiro, o ilícito da manipulação de preços é previsto pela Instrução CVM Nº8, de 1979. A mesma conceitua tal ato como a criação de condições artificiais de demanda, oferta ou preço de valores mobiliários;a realização de operações fraudulentas; e o uso de práticas não eqüitativas (aquela de que resulte, direta ou indiretamente, efetiva ou potencialmente, um tratamento para qualquer das partes, em negociações com valores mobiliários, que a coloque em uma indevida posição de desequilíbrio ou desigualdade em face dos demais participantes da operação). Cabe ressaltar que a tipicidade do ilícito previsto pela instrução é “aberta”, de forma que a fiscalização da CVM possa acompanhar as novas “estratégias” de manipulação de preços, que por sua vez se atualizam de maneira muito mais rápida do que seria possível atualizar a regulação. No Brasil, assim como no resto do mundo até janeiro deste ano, a reunião coordenada de milhões de investidores para alterar o preço de um ativo nunca ocorreu. Por este motivo, não há jurisprudência ou caso semelhante que já tenha sido analisado pelo direito brasileiro. Nem mesmo existe um consenso entre os juristas e doutrinadores acerca de qual seria a decisão correta a ser tomada pelos reguladores, havendo opiniões diversas acerca da existência ou não de manipulação. O que é consenso, por outro lado, é que a regulação e implementação de quaisquer penas/sanções em um caso como esse é extremamente difícil, uma vez que seria necessário instaurar processo sancionador contra um número gigantesco de pessoas e ainda diferenciar aquelas que possuíam intenção de manipular o preço do ativo e aquelas que apenas queriam obter lucros "surfando" na onda de valorização dos papéis. Assim como em outros diversos ramos do direito, a maneira que parece ser mais simples e efetiva de regulação é prevenir ao invés de punir os ilícitos. A Brasil, Bolsa, Balcão (B3), por exemplo, possui um limite estabelecido de 20% dos papéis em circulação de uma empresa (free float) para operações de aluguel de ações, parte fundamental para a montagem de uma posição short. Em fevereiro deste ano, um grupo de investidores brasileiros chegou a se reunir no aplicativo de mensagens “Telegram” para tentar replicar o short-squeeze americano, operando as ações da Brasil Resseguros S/A (IRBR3). Todavia, os investidores brasileiros não obtiveram muito sucesso em sua tentativa, sendo a restrição ao número de papéis alugáveis na B3 um empecilho para que tal evento se concretizasse.


O caso Gamestop, sem precedentes na história do mercado, escancarou ainda mais o poder de transformação da internet em todas as áreas da sociedade. A facilidade de interação entre pessoas desconhecidas e o poder de influência concedido ao “cidadão comum” revolucionaram os mais diversos campos e demandam adaptações por parte dos atingidos. No que diz respeito à regulação de mercado, esta revolução se configura com um dos principais desafios aos profissionais da área. Sobre a tese de investimentos de Keith Gill e o short-squeeze dos papéis GME, fica em aberto o debate sobre quem estava correto, ele ou os “tubarões” de Wall Street. Quando “Roaring Kitty” publicou seu primeiro vídeo sobre a ação, em julho de 2020, os papéis estavam sendo negociados a US$ 4.03. Em janeiro, antes da eclosão do short-squeeze, as ações eram negociadas a US$ 18.00. No auge do evento, os papéis chegaram ao topo de US$ 347.51, sofrendo uma forte desvalorização nos dias subsequentes. Após esta desvalorização, e mais de 2 meses posteriores ao caso GameStop, as ações da empresa se encontram negociadas a US$ 166.53 (14/04/2021), quarenta e uma vezes mais do que quando Keith Gill as comprava, e os tubarões vendiam, em julho de 2020.


Bibliografia:


Vídeo original de Keith Gill:

https://www.youtube.com/watch?v=GZTr1-Gp74U


Instrução CVM nº8:

http://conteudo.cvm.gov.br/legislacao/instrucoes/inst008.html


Limitação de 20% do free-float alugavel na B3:

https://valorinveste.globo.com/blogs/ana-paula-ragazzi/post/2021/01/regras-da-b3-limitam-capacidade-de-um-evento-como-o-da-gamestop-no-brasil.ghtml


WSJ: Audiência caso GameStop:

https://www.wsj.com/livecoverage/gamestop-stock-hearing-keith-gill-reddit-robinhood


Entrevista Jay Clayton:

https://markets.businessinsider.com/news/stocks/gamestop-trading-hearing-sec-clayton-pump-dump-roaring-kitty-transparency-2021-2-1030102595